Fale Conosco

microney@gmail.com

Fátima do Sul

R. Pres. Dutra 1313

Atendimento

Dás 08:00 as 17:30

Título do arquivo

Autem vel eum iriure dolor in hendrerit in vulputate velit esse molestie consequat, vel illum dolore eu feugiat nulla facilisis at vero eros et dolore feugait.

Arquivo Mensal dezembro 3, 2020

Cosmovisão Cristã

Como você se posiciona frente aos vários acontecimentos do mundo? Qual a sua opinião a respeito do aborto e da sexualidade? Como você vê o casamento? Qual deve ser o destino da educação e da política? Homossexualismo? Sobre o trabalho? Educação infantil?

A resposta para todas estas perguntas dependerá em qual cosmovisão você crê. E para todas estas perguntas o cristianismo oferece respostas adequadas. Está é a Cosmovisão Cristã! O Cristianismo aborda vários temas sobre a vida, trabalho, sexualidade, educação, política, ética, família e sobre muitas outras coisas presentes na sociedade. Tudo isso faz parte de uma Cosmovisão Cristã.

Mas, o que é “cosmovisão”?

Cosmovisão é um conjunto de suposições e crenças que alguém usa para interpretar e formar opiniões acerca da sua humanidade, propósito de vida, deveres no mundo, responsabilidades para com a família, interpretação da verdade, questões sociais, etc. Todo ser humano possui uma cosmovisão, mesmo que ele não saiba.

Uma cosmovisão define o que a pessoa é, o que ela irá defender e até como irá viver. É a maneira pela qual a pessoa vê ou interpreta a realidade. É uma visão que direcionará a maneira como você verá e interpretará o mundo. Ela é como um óculos, para que a realidade faça sentido é preciso visualizá-la de acordo com uma cosmovisão coerente e verdadeira, ou seja, com as “lentes corretas”.

A cosmovisão é como um mapa mental que nos diz como navegar de modo eficaz no mundo.

Porém, hoje, vamos focar em uma Cosmovisão Cristã. Para o cristão, ela vai colocar o entendimento do universo como criação de Deus, e em todas as esferas de conhecimento, possíveis de estarem presentes na humanidade, como procedentes do Deus único e verdadeiro, Senhor do universo, comunicadas a nós por Cristo “… no qual estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento” (Cl 2.3). b

Uma Cosmovisão Cristã é fundamental para ser um contraponto aos sistemas ideológicos vigentes na atualidade. O mundo diz que a moral é relativa, a Bíblia diz que ela é absoluta. O mundo secular exalta o homem, exalta governos, exaltam intelectos e pensamentos, a Bíblia exalta a Deus e sua Soberania.

Implantar uma cosmovisão cristã é uma necessidade, vide o fracasso das cosmovisões seculares. Ao observarmos a sociedade, fica evidente que ela vai muito mal. O relativismo e o politicamente correto têm tomado conta da televisão, das notícias, das pessoas. A sociedade se tornou um antro de pornografia, violência, de gratificação imediata dos prazeres. O culto ao homem tomou lugar do culto a Deus. Os preceitos morais estão a cada dia sendo “desconstruídos” e erradicados. A família se tornou descartável, perdeu sua importância, tornou-se apenas um mero arranjo entre pessoas.

Por tudo isso, há uma necessidade urgente de estabelecer uma Cosmovisão Cristã, há a necessidade de que ela seja ensinada aos cristãos e à sociedade. Por isso, a importância de escolas cristãs, de faculdades e centros acadêmicos que tenham a palavra como balizador de seus ensinos. A fé cristã deixa de ser uma “questão religiosa” para o domingo, apenas para dentro das igrejas, e volta a assumir o seu posto original de guia moral e cultural para o mundo.

O Cristianismo vai além da fé que temos ou do culto que prestamos na igreja. Ele é uma estrutura para compreender e modificar a sociedade, a realidade. Vai muito além das questões religiosas, ele define a moral de um povo, de uma sociedade. Através dele podemos moldar a cultura de uma nação, podemos mudar o rumo de uma sociedade. Não nos deixemos moldar pelas visões vigentes nestes mundos, não andemos de braços dados com ideologias pagãs e satânicas, olhemos para a Palavra, e dela devemos extrair uma cosmovisão para nossas vidas e para toda uma sociedade.

Soli Deo Glória!

 

Autor: Hugo Coutinho
Fonte: Reformai

Golpes no WhatsApp estão entre as principais ameaças digitais para 2021

Operações coordenadas para roubar dados confidenciais e golpes financeiros envolvendo WhatsApp, são alguns dos tipos de ciberataques previstos para assolar os computadores latino-americanos, em 2021. A análise foi feita pela empresa de cibersegurança Kaspersky, que listou uma série de ameaças digitais que devem surgir com a virada do ano.

De acordo com Dmitry Bestuzhev, diretor da equipe latino-americana de pesquisa e análise da companhia, os hackers presentes em nosso continente devem copiar o modus operandi de cibercriminosos presentes no Leste Europeu. Esses ciberataques serão ainda mais complexos, com maior potencial de lucro, visando empresas e instituições públicas. Confira todas as ameaças digitais:

Ataques devem ocorrer em smartphones pessoais, mas também contra empresas e instituições públicas. Imagem: iStock

Ataques devem ocorrer em smartphones pessoais, mas também contra empresas e instituições públicas. Imagem: iStock

Desenvolvimento local de ransomware
Segundo as previsões feitas pela companhia, o ransomware direcionado insere uma ameaça digital que infecta o computador. Ele exibe mensagens exigindo o pagamento de uma taxa, geralmente em criptomoedas, para fazer o sistema voltar a funcionar. Há esquemas semelhantes como os já identificados Egregor, Ragnar Locker, Netwalker, Sodinokibi, entre outros.

“Hacker de aluguel“: uma ameaça digital
Aumento e diversificação dos ataques dirigidos aos sistemas financeiros por grupos de cibercriminosos locais será outra ameaça digital. De acordo com a análise, haverá uma espécie de terceirização no estilo “hacker de aluguel” com o objetivo de atacar bancos e outras instituições financeiras.

Ameaças digitais em aplicativos bancários
Golpes financeiros para Android com acesso remoto (malware RAT – Remote Administration Tool) devem se tornar mais frequentes. Com a maior utilização de ferramentas bancárias para dispositivos móveis, os cibercriminosos devem focar em criar códigos maliciosos para os aplicativos de smartphones.

Mais trojans
De acordo com a Kaspersky, mais famílias de trojans brasileiros vão expandir suas operações pelo mundo. A empresa cita exemplos de cavalos de Troia como Tétrade, o Bizarro e o Lampion, que podem ganhar maior agilidade em 2021, entre possíveis ameaças digitais.

Pontos de vendas vulneráveis
A previsão da companhia é que aconteçam mais ataques aos sistemas de ponto de venda (PoS) e que o aumento possa tornar o golpe mais popular por meio de esquemas MaaS (Malware as a Service).

Golpes no WhatsApp devem continuar com a chegada do WhatsApp

Golpes no WhatsApp devem continuar com a chegada do WhatsApp Pay. Imagem: Pixabay

Roubo de contas do WhatsApp
Aumento no roubo (account-takeover) do WhatsApp. Esse golpe não precisará de um software arrojado para ser realizado. De acordo com a Kaspersky, a técnica dos criminosos é usar de engenharia social, pedindo os dígitos de autenticação (OTP) recebidos por SMS e solicitando dinheiro aos contatos das vítimas. O golpe deve continuar, principalmente, com a chegada do WhatsApp Pay, que permite pagamentos direto na plataforma.

Ataques coordenados a empresas e instituições públicas
O objetivo aqui é o roubo de informação e, posteriormente, divulgação nas redes sociais. O relatório indica que o alcance desse tipo de golpe será ainda maior em 2021. Recentemente, a Capcom sofreu com um ataque do mesmo gênero e teve informações confidenciais sobre seus jogos vazadas na internet.

Roubo de informações privadas
Este golpe (informações de identificação pessoal – PII, sigla em inglês) deve se aproveitar do aumento do trabalho remoto e de aulas online. As previsões apontam que os principais alvos serão escolas, universidades e plataformas virtuais de aprendizagem.

Inteligência Artificial como ameaça digital
Uso de técnicas relacionadas à inteligência artificial para orquestrar campanhas de desinformação. A última ameaça digital prevista pela Kaspersky envolve ferramentas com aprendizado de máquina, que podem tornar a detecção de campanhas maliciosas ainda mais difícil.

Por fim, a empresa acredita que eventos como os Jogos Olímpicos de Tóquio, adiado para o ano que vem por conta da pandemia de Covid-19, devem atrair ainda mais ataques como phishing, malware e ataques DDoS. Caso a presença do público seja permitida, Bestuzhev acredita que roubos em caixas eletrônicos também voltarão a fazer vítimas.

Uma teologia do Vinho – por Joe Thorn

O vinho precisa contratar uma nova agência de relações públicas para ajudar com sua imagem junto às igrejas evangélicas, visto que ele é frequentemente ignorado por muitos cristãos americanos hoje. Não tenho tempo ou interesse em analisar por que o vinho caiu em maus lençóis entre muitas igrejas que creem na Bíblia, mas estou interessado em ajudar a pintar um quadro mais biblicamente fiel dele na esperança de conseguir encorajar meus irmãos e irmãs a entendê-lo como um dom, uma imagem usada na Escritura para ensinar a verdade sobre Deus e como um elemento da nossa fé e prática cristãs.

O que é o vinho?

O vinho é o suco fermentado de uvas prensadas; uma bebida alcóolica que pode levar à embriaguez, caso consumida em excesso. A maioria de nós sabe o que o vinho é, embora alguns professores tenham tentado explicar que o vinho na Escritura às vezes é vinho e, outras, suco de uva. A verdade pura é que os melhores estudiosos bíblicos argumentam, de forma consistente e clara, que não apenas o “vinho” na Bíblia é alcoólico, como também afirmam que o suco não-fermentado de uva seria praticamente uma impossibilidade. D. F. Watson declara isso com toda franqueza em The Dictionary of Jesus and the Gospels, em seu artigo Wine [Vinho], quando ele diz que “todo vinho mencionado na Bíblia é suco de uva fermentado com teor alcoólico. Nenhuma bebida não-fermentada era chamada de vinho”.

Imagem inline 2

Quem bebia vinho na Bíblia?

Quase todo mundo. Beber vinho era normativo para os judeus (Gn 14.18; Jz 19.19; 1 Sm 16.20), embora os sacerdotes levitas no serviço do templo (Lv 10.8–9), os nazireus (Nm 6.3) e os recabitas (Jr 35.1–3) se abstivessem dele. No Novo Testamento, João Batista também se absteve.

A despeito do que alguns alegam hoje, o próprio Jesus bebeu vinho (Lc 22.18; Mt 11.18–19; 26.27–29), e foi acusado de beberrão por seus acusadores.

Pois veio João, que não comia nem bebia, e dizem: Tem demônio! Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizem: Eis aí um glutão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores! Mas a sabedoria é justificada por suas obras (Mt 11.18–19).

Como o vinho é descrito na Escritura?

O vinho era a bebida comum dos judeus, usufruído com refeições e compartilhado com amigos (Gn 14.18; Jo 2.3). Era também uma parte essencial da adoração do povo de Deus em ambos os Testamentos.

A “oferta de bebida” consistia de vinho (Êx 29.40; LV 23.13), e o povo de Deus trazia vinho por ocasião dos sacrifícios de oferta (1 Sm 1.24). Os judeus, inclusive, guardavam vinho no templo (1 Cr 9.29). Em Isaías 62.9, o povo é abençoado pelo Senhor de tal maneira que é descrito bebendo vinho no santuário diante da presença de Deus. Em Deuteronômio 14.22–27, lemos o seguinte:

Certamente, darás os dízimos de todo o fruto das tuas sementes, que ano após ano se recolher do campo. E, perante o SENHOR, teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu cereal, do teu vinho, do teu azeite e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer o SENHOR, teu Deus, todos os dias. Quando o caminho te for comprido demais, que os não possas levar, por estar longe de ti o lugar que o SENHOR, teu Deus, escolher para ali pôr o seu nome, quando o SENHOR, teu Deus, te tiver abençoado, então, vende-os, e leva o dinheiro na tua mão, e vai ao lugar que o SENHOR, teu Deus, escolher. Esse dinheiro, dá-lo-ás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, ou ovelhas, ou vinho, ou bebida forte, ou qualquer coisa que te pedir a tua alma; come-o ali perante o SENHOR, teu Deus, e te alegrarás, tu e a tua casa; porém não desampararás o levita que está dentro da tua cidade, pois não tem parte nem herança contigo.

O vinho foi usado na celebração da páscoa e é usado na celebração da Ceia do Senhor no Novo Testamento (Lc 22.7–23; 1 Co 11.17–32). Para mais informações, leia o meu post Wine or Welch’s?

Ele também é usado com fins medicinais, para ajudar o fraco e o doente (2 Sm 16.2; Pv 31.6; 1 Tm 5.23).

Não é forçado dizer que Deus gosta de vinho. Ele estava associado com a vida, as bênçãos divinas e o reino de Deus. Em Juízes 9.13, lemos que o vinho é aquilo que “agrada a Deus e aos homens”. O Salmo 104.15 retrata o vinho de modo semelhante, dizendo que ele “alegra o coração do homem” (Ec 10.19; Is 55.1–2; Zc 10.7). (Ver Walter A. Elwell and Barry J. Beitzel, Baker Encyclopedia of the Bible). Até mesmo o cumprimento futuro do reino de Deus é caracterizado pela abundância de vinho (Is 25.6–8; Amós 9.13).

Naturalmente, nem toda referência ao vinho na Bíblia é positiva. A bebedice é condenada, e o povo de Deus é advertido contra os perigos da embriaguez (Is 28.1–7; Ef 5.18; Is 5.11; Tt 2.3).

Em seu livro What Would Jesus Drink [O que Jesus beberia[1]], Brad Whittington divide as referências bíblicas ao álcool em três tipos. Ao todo, existem 247 referências ao álcool na Escritura. 40 são negativas (advertências sobre a bebedice, perigos potenciais do álcool etc.), 145 são positivas (sinal da benção divina, uso no culto etc.) e 62 são neutras (pessoas acusadas falsamente de estarem bêbadas, votos de abstinência etc.). A Bíblia é tudo, menos silenciosa sobre a questão do vinho. Ele, como todo álcool, deve ser tratado com cuidado, visto como uma bênção e recebido com ações de graças entre aqueles que o bebem. Não deve ser consumido excessivamente.

O vinho na Bíblia era misturado com água?

De acordo com F. S. Fitzsimmonds, em seu artigo “Wine and Strong Drink” [Vinho e bebida forte] no New Bible Dictionary, a resposta é “não”. Pelo menos, não no Antigo Testamento. No Novo Testamento, o vinho provavelmente era misturado com duas partes de água para uma de vinho. Alguns que se opõem ao uso do vinho como uma bebida argumentam que o vinho na Escritura era tão diluído com água que era difícil ficar bêbado. Parece que o vinho no Novo Testamento, caso misturado, teria o mesmo teor alcoólico que as cervejas de hoje. (Ver, também, a Baker Encyclopedia of the Bible).

Qual deve ser a atitude cristã para com o vinho?

É importante que os cristãos entendam o quadro completo. O vinho é visto como uma bênção divina e como um meio potencial pelo qual as pessoas trazem destruição sobre si mesmas.

Esses dois aspectos do vinho — seu uso e seu abuso, seus benefícios e sua maldição, sua aceitação à vista de Deus e sua aversão — estão entrelaçados na estrutura do Antigo Testamento para que possa alegrar o coração do homem (Sl 104.15) ou levar sua mente ao engano (Is 28.7); ele pode ser associado com o festim (Ec 10.19) ou com a ira (Is 5.11); pode ser usado para encobrir a vergonha de Noé (Gn 9.21) ou, nas mãos de Melquisedeque, para honrar Abraão (Gn 14.18).

– F. S. Fitzsimmonds, “Wine and Strong Drink”, no New Bible Dictionary.

Os cristãos devem ser cautelosos com o vinho e a bebida forte, exercendo moderação e domínio próprio. E em relação ao outro, é importante que levemos em conta a liberdade sem sermos julgados nem por beber nem por se abster. Pode-se beber para a glória de Deus, enquanto o outro pode se abster para a glória de Deus.

O que é o vinho?

O vinho é um dom de Deus. Nele vemos o amor de Deus em proporcionar vida e alegria para todas as pessoas. Mas também enxergamos um sentido mais profundo. No vinho vemos o amor de Deus no sacrifício de Jesus Cristo, que remove nossa culpa, satisfaz a ira de Deus e salva a todos os que creem.

Traduzido e gentilmente cedido por Leonardo Bruno Galdino

Notas:

[1] Não confundir com o livro homônimo de Joel McDurmon, publicado em português pela Editora Monergismo. [Nota do Tradutor.]

Assinantes do Amazon Music Unlimited agora podem assistir a videoclipes

Amazon anuncia que seu serviço de streaming de música, o Amazon Music Unlimited conta agora com videoclipes para seus assinantes.

Recentemente a plataforma de streaming da Amazon, o Amazon Music Unlimited, anunciou um novo recurso. Trata-se da possibilidade de ver videoclipes através de seu aplicativo, assim como há no Spotify e no Tidal, por exemplo.

Infelizmente ainda não se sabe muito sobre como irá funcionar os videoclipes no app de streaming de música da Amazon, pois não foram fornecidos detalhes pela empresa. Ao que parece, a companhia fará uma seleção de algumas playlists de vídeos para ajudar os usuários a descobrir os clipes de seus artistas favoritos.

Ao contrário do YouTube Music, a Amazon irá limitar os videoclipes somente para os assinantes do serviço.

Sobre o Amazon Music Unlimited
Atualmente o Amazon Music Unlimited possui cerca de 70 milhões de músicas e cobra R$16,90 pela assinatura mensal. É possível utilizar o serviço de streaming de música da Amazon através do pacote de serviços Prime, que cobra R$9,90/mês.

Amazon Music no Prime é diferente do Amazon Music Unlimited
Enquanto no Amazon Music oferecido no serviço Prime possui aproximadamente 2 milhões de músicas, o Amazon Music Unlimited possui uma biblioteca de 70 milhões de músicas.

Amazon Music tem podcasts
Diversos serviços de streaming estão investindo fortemente nos podcasts como, por exemplo, o Spotify e o Deezer. Seguindo a onda, agora o Amazon Music passa a oferecer podcasts em sua plataforma. Com mais de 70 mil programas, a Amazon espera se aproveitar desta fatia do mercado de streaming também. Confira a matéria completa aqui.

O que achou da novidade? Compartilhe esta notícia e comente em suas redes sociais.